Como montar uma imobiliária virtual

Com o mercado imobiliário cada vez mais digital e online, muitos corretores de imóveis têm procurado saber como montar uma imobiliária virtual.


Eu, embora seja uma profissional da área digital etc, de uma forma bem generalizada, não enxergo a proposta como algo 100% positivo para o corretor de imóveis e posso explicar o porquê.

Embora a jornada de compra do imóvel aconteça 70% na internet, os outros 30% são presenciais.

E mais, na grande maioria das vezes, da forma mais tradicional e burocrática possível.  

Com base nisso, eu acredito que a ideia de ‘virtualizar’ boa parte dos processos de compra e venda de um imóvel, algo que já acontece e é uma realidade do mercado imobiliário, é o melhor caminho.

Mas, ter todo este processo de forma virtual é, no mínimo, inviável.  

 

E, pensar em como montar uma imobiliária virtual para atender parte do seu público também não faz sentido.

Mesmo que o custo seja infinitamente menor que o de uma imobiliária física, seria um custo a mais na sua planilha de gastos.  

De qualquer forma, entre as pesquisas de como montar uma imobiliária virtual, é importante saber se a persona do seu negócio tem um perfil high tech, 100% digital etc.

Assim como em uma estratégia de marketing imobiliário, saber a fundo quem é a sua persona é fundamental para dar início a ideia de montar uma imobiliária virtual.

 

Quem é o seu público alvo, com quem você deseja fazer negócio?

 

As respostas dessas perguntas são a base para que você, corretor, coloque toda e qualquer iniciativa em prática no seu negócio imobiliário.  

Certo de que eles são, de fato, um público mais tecnológico, que vive neste cenário online e que este formato de transação imobiliária será bem-vindo, siga em frente!

A estrutura de uma imobiliária virtual é muito simples: um computador, internet, um telefone e, claro, um CRM Imobiliário online.

Como um nômade digital, estas ferramentas de trabalho permitem que o corretor de imóveis trabalhe em todo e qualquer lugar, se for preciso.  

Com esta infraestrutura, o corretor consegue conduzir boa parte do processo de compra e venda do imóvel:

 

Conhecer melhor o cliente;

Enviar propostas de imóveis;

Agendar Visitas.

 

Depois disso, o processo tende a ser o tradicional: presencialmente.

Conhecer o imóvel é uma das etapas que uma imobiliária virtual não consegue fazer de outra forma.

Posteriormente, o envio de propostas e contrapropostas entre os interessados, podem acontecer virtualmente sim.

Mas, voltam ao moldes offline, digamos assim, quando aceitas.  Toda a parte documental é feita presencialmente até a conclusão do negócio.

Percebam que, a etapa de fechamento do negócio não pode ser feita virtualmente, logo, quando o corretor pensar em como montar uma imobiliária virtual, este é um ponto que deve ser levado em conta.

 

Sendo assim, ressalto que o mais coerente é virtualizar processos ao máximo. 

E assim, não perder o que eu acredito como fundamental em uma transação imobiliária que é rapport.

O relacionamento comercial com empatia, humanizado e se diferenciando dos demais, sendo verdadeiramente uma ferramenta de geração de negócios.

Quando falamos de relacionamento comercial, os prós e contras do ambiente virtual devem ser analisados minuciosamente.

E, quando se trata do nosso mercado, o imobiliário, ainda mais.

Comprar um imóvel tem um percentual emocional muito grande, algo que, quando olho com mais sensibilidade, enxergo o relacionamento humano fundamental.

Além disso, com um olhar menos sensível, trata-se de um investimento financeiro alto, logo, o ‘olho no olho’ se faz necessário.

 

 

E você, o que pensa sobre abrir uma imobiliária virtual? Comente.

CRM para imobiliária

Letycia Queiroz

Marketing de Conteúdo em Microsistec
Jornalista heavy user de internet, é viciada em pizza, apaixonada por chocolate e por todos os cachorros do mundo.
É filha de Corretora de Imóveis e tem a sua mãe como persona (e inspiração!) principal para os seus textos.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios *