seguro fiança

Seguro-fiança: vantagens para o locatário e para o corretor

Eu só enxergo vantagens no seguro-fiança. Pra todos os envolvidos!


Existem algumas exigências para alugar um imóvel, em especial, no que diz respeito às garantias de segurança do negócios ao proprietário, o corretor de imóveis e da imobiliária. O seguro-fiança pode ajudar!

Antigamente, o fiador era a única alternativa para assegurá-los nesta transação. Hoje, existem outras alternativas para isso e o seguro-fiança é uma delas.

 

O seguro-fiança substitui o fiador de forma brilhante, garantindo a segurança necessária para todos os envolvidos no negócio.

 

O seguro tem uma série de vantagens diante o fiador, o que fez do recurso um aliado dos corretores de imóveis e imobiliárias nas locações.

O seguro-fiança é estabelecido por normas estipuladas na Lei do Inquilinato que delimita as garantias de locação (Resolução 202, de 2008, do Conselho Nacional de Seguros Privados – CNSP).

 

Algumas das principais vantagens do seguro-fiança para o locatário:

 

Não precisa envolver terceiros na sua negociação;

Evita o constrangimento e a exposição na busca por um fiador;

Há seguradoras que oferecem benefícios extras como desconto junto a transportadoras de mudanças, cobertura e assistência para manutenções e reparos pequenos no imóvel entre outros;

Evita o desembolso do cheque caução, valor equivalente a 3 meses de aluguel.

 

Para o proprietário, o corretor e imobiliária:

 

Agilidade na parte burocrática;

Agilidade no recebimento do valor do aluguel;

Elimina a responsabilidade do corretor e imobiliária com a análise e aprovação do cadastro do candidato a inquilino;

Assistência jurídica pela seguradora, se for preciso, inclusive para uma ação de despejo, por exemplo.  

 

E quem paga o seguro fiança?

O inquilino. É o locatário quem paga arca com o seguro-fiança.

Geralmente, o corretor ou a imobiliária que administra o imóvel sugere ao interessado em locar o imóvel a opção de fazer um seguro-fiança, ao invés de ter um fiador, por exemplo.  

Aliás, ter um fiador é algo que poucos estão fazendo, tendo em vista o quão melhor é o seguro-fiança, em especial, no que diz respeito a inserção de terceiros no processo etc.  

Sabe aquela coisa de incomodar uma outra pessoa solicitando que ela seja sua fiadora e assegure as suas responsabilidades? Está cada vez mais raro.

Com o seguro isso não é necessário. Todo o processo corre entre o locatário e o corretor representante do proprietário.  

 

O seguro-fiança também tem exigências para aprovação

O seguro-fiança pode não ser aprovado pela seguradora que tem suas exigências para serem cumpridas.

Um dos principais motivos para a não aprovação é a restrição do nome e CPF inclusos no Sistema de Proteção ao Crédito, o SPC, e o Serasa.  

Além da não comprovação de renda ou renda abaixo do pré-estipulado, que geralmente gira em torno de 3 vezes o valor da locação.  

Diante tantos benefícios e pontos positivos, o recurso é um forte aliado do corretor de imóveis que tem essa opção para oferecer ao locatário.

É também um aliado para quem deseja alugar um imóvel sem incomodar ninguém como fiador.

E, claro, para o proprietário que tem um respaldo em segurança de recebimento do aluguel, dos cuidados e manutenção do imóvel e tudo mais.

 

Você e a imobiliária em que trabalha são adeptos ao seguro-fiança? Comente suas experiências.

casos de sucesso marketing imobiliário

Letycia Queiroz

Marketing de Conteúdo em Microsistec
Jornalista heavy user de internet, é viciada em pizza, apaixonada por chocolate e por todos os cachorros do mundo.
É filha de Corretora de Imóveis e tem a sua mãe como persona (e inspiração!) principal para os seus textos.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios *